Alameda Santos, 211 Cj.1305 Seg - Sex 07:00-19:00 Sáb. 08:00-13:00 55 11 3283 2018 - Whatsapp 55 11 95327 9449
0

Ultrassonografia obstétrica morfológica de primeiro trimestre

Ultrassonografia obstétrica morfológica de primeiro trimestre 11 A 14 semanas, com rastreamento de anomalias cromossômicas, pré-aclâmpsia e restrição de crescimento intrauterino.

Objetivos: Avaliar detalhadamente a anatomia fetal, confirmar a idade gestacional, avaliar parâmetros ultrassonográficos que permitem calcular riscos de anomalias cromossômicas (risco para Síndrome de Down e outras doenças), de pré-eclâmpsia e de restrição de crescimento intrauterino. São também estudadas a quantidade de líquido amniótico, a posição e as características da placenta.

 

Ultrassonografia obstétrica morfológica de primeiro trimestreIdade gestacional: Este exame deve ser realizado obrigatoriamente entre 11 e 13 semanas e 6 dias de gravidez.

 

Técnica: O exame é geralmente realizado por via abdominal, com a gestante deitada em decúbito dorsal horizontal (com o abdome para cima). Após aplicação de pequena quantidade de gel sobre a pele do abdome, o médico desliza levemente um transdutor sobre a área de interesse. Pode ser necessário que uma leve pressão seja exercida, para que alguma estrutura fetal seja visibilizada com mais nitidez. Esta manobra não prejudica a mãe nem o bebê e a paciente será avisada quando de sua necessidade. Em raras ocasiões, pode ser útil a complementação do exame por via vaginal. Caso esta avaliação seja indispensável, o médico explicará o motivo à paciente.

 

Contraindicações: Não há contraindicações específicas para este tipo de exame.

 

Limitações: Em decorrência da idade gestacional precoce, algumas doenças e alguns detalhes da anatomia fetal podem não ser adequadamente avaliados. No entanto, sabe-se que aproximadamente 35% das malformações identificáveis no pré-natal podem ser vistas nesta época. Algumas dessas doenças podem se beneficiar do diagnóstico nesta fase da gravidez, pois, para algumas delas, existe a possibilidade de tratamento intrauterino. A complementação da avaliação anatômica do feto e o diagnóstico das demais possíveis anormalidades que podem acometê-lo deve ser feita no exame morfológico de segundo trimestre, entre 18 e 24 semanas.